Buscar

Seu filho faz birra? Saiba como eliminar esse problema!

Muitos pais procuram o nosso atendimento por não saberem lidar com os comportamentos de birra apresentados pelos seus filhos.


Você, pai ou mãe, já passou pela experiência de estar em algum local público e presenciar o seu filho berrar, espernear, ou se jogar no chão? Muitos pais, já passaram por isso, porém nem todos sabem o que fazer nessa hora.


É exatamente para isso que a Equipe do Psicovirtual está aqui. Através da ciência do comportamento, vamos te mostrar o que você pode fazer para diminuir ou extinguir esse problema.


O que é birra?


Birra é um termo utilizado usualmente para descrever comportamentos como berrar, se jogar no chão, atirar objetos, chutar as coisas. Estes comportamentos geralmente se manifestam quando as crianças, ou mesmo adolescentes, desejam alguma coisa de seus pais ou cuidadores. Se a criança se sentir frustrada por não conseguir o que deseja, ela poderá emitir esses comportamentos.


Vamos citar um exemplo para ilustrar nossa explicação: o filho de Carol, João Pedro, sempre se joga no chão, grita e chora muito quando Carol não lhe dá chocolate quando vão ao mercado. Esse comportamento ocorre sobretudo quando Carol chega no caixa do mercado para efetuar o pagamento das compras.


Carol pede para que João Pedro não se comporte assim, tenta conversar com ele, mas ainda assim, o menino não para de gritar e chorar. Sem jeito, Carol lhe dá um chocolate ou qualquer outro presente para que ele fique quieto e ela consiga pagar as compras e sair do mercado.



Por que a birra ocorre?


Todo comportamento tem um propósito, um objetivo. Se esse comportamento alcança o seu propósito, então ele tenderá a se repetir no futuro (SKINNER, 2003). Resumidamente:

"Os acessos de birra ocorrem para se conseguir o que se deseja ou para se livrar de alguma coisa que a criança não quer."

A criança emite esses comportamentos para conseguir algo, e ela geralmente sabe que conseguirá, caso contrário ela não faria birra. Uma criança que faz birra com frequência usualmente tem pais que cedem aos seus desejos após ela emitir os comportamentos de birra (MILTENBERGER, 2016)


A criança entende o seguinte: “Se eu chorar e me jogar no chão eu vou ganhar o que eu quero”.


É o que ocorre com João Pedro, em nossa história: ele sabe que ganhará o chocolate se insistir em seu comportamento de birra (sobretudo porque Carol, sua mãe, já lhe deu chocolate da outra vez que ele emitiu esse mesmo comportamento).



Como acabar com a birra:


Como vimos, o comportamento de ceder dos pais é o que mantém o comportamento de birras dos filhos. Quando você não quer dar algo ao seu filho, você deve permanecer com essa posição: basicamente não é NÃO!


Pai ou mãe, se o seu filho emitir comportamentos de birra em uma loja de brinquedos, shopping ou mercados, por não ganhar aquilo que quer, permaneça firme na sua atitude e deixe que a criança processe a informação de que ela não pode obter tudo que ela quer e quando quer. Ignore, finja que não está vendo e espere o acesso de raiva ou tristeza passar .


No nosso exemplo, Carol poderia ignorar a gritaria de João Pedro, por mais difícil que isso possa ser .



Um aviso importante:


Ressaltamos que, ao ignorar os acessos de birra de uma criança que emite esse comportamento de forma frequente, ocorrerá aquilo que nós Psicólogos chamamos de explosão de extinção (HEWARD, 2014).


É exatamente o que o nome indica:


um aumento explosivo na intensidade da birra antes desses comportamentos começarem a diminuir ou extinguir. Isso significa que a criança poderá chorar, berrar, gritar, espernear com muito mais força que antes, o que leva muito pais a acharem que a criança está piorando .

A piora no problema é um sinal de que o pesadelo está próximo de acabar, pois o comportamento de birra está passando pelo processo de extinção.


É no período de explosão de extinção que muitos pais acabam cedendo aos desejos da criança, porque acreditam que sua atitude não é correta e não está funcionando. Contudo, se os pais cederem aos desejos do seu filho, os acessos de birra sempre irão ocorrer – e provavelmente não irão diminuir tão cedo (HEWARD, 2014).


Mesmo que João Pedro, na nossa história, grite e berre mais alto, Carol não deve ceder e lhe dar o chocolate. Só assim João Pedro irá desistir dessa estratégia no futuro.


Por isso, permaneça fiel à intervenção indicada neste artigo que os resultados com certeza aparecerão!


Sabemos que esse processo será difícil e, portanto, pode ser necessário um auxílio profissional. Se tiver interesse, entre em contato com nosso serviço de Treinamento de Pais.






Referências:


HEWARD, Cooper Heron. Applied Behavior Analysis. 2ª ed. England: Harlow, 2014.


MILTENBERGER, Raymond G. Behavior modification: Principles and procedures.6ª ed. EUA: Boston Cengage Learning, 2016.


SKINNER, Burrhus Frederic. Ciência e comportamento humano. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

A Psicoterapia on-line tem a mesma eficácia do atendimento presencial!
Se o seu problema for uma emergência, ligue para 192.
© Copyright 2019 Psicovirtual.  Todos os direitos reservados.